domingo, 6 de dezembro de 2009

NA FORÇA DA TORCIDA, FOGÃO ASSA O ‘PORCO’ E SE MANTÉM NA PRIMEIRONA




“TU ÉS O GLORIOSO, NÃO PODES PERDER, PERDER PRA NINGUÉM...”.


Valeu! Valeu cada pensamento positivo, cada lágrima que não conseguimos segurar e o grito de quase 40 mil fanáticos pela Estrela Solitária.

Valeu pela força da nossa torcida e o apoio, como sempre. Mas não valeu passarmos por isso mais uma vez.

Fui com minha esposa e o amigo Flávio e sua companheira. Revi outros amigos genuínos e me emocionei com o Fogão.

Pulei, cantei, e vivi. Sim, como em minha vida inteira, o Fogão sempre esteve presente. Graças a Deus terei mais um ano de primeira e poderemos cobrar agora um time de primeira.

Parabéns a você, a nós torcedores que nunca desistimos e aprendemos a cada dia a amar ainda mais esse clube Glorioso. Fico feliz em saber que o amigo Fernando Gonçalves comemorará meio século de vida alvinegra, na 1ª divisão. Quiçá, com um título como presente.

É um sentimento puro e verdadeiro, que nunca vai se apagar, como esse Fogo em nosso peito.

Te amo meu Fogão!

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salvou nosso amado BOTAFOGO!


Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

QUEM AMA, CUIDA. QUEM É BOTAFOGO, VAI AO ENGENHÃO!




“TU ÉS O GLORIOSO, NÃO PODES PERDER, PERDER PRA NINGUÉM...”

Estamos vivendo a semana mais dramática do ano. Infelizmente da pior maneira possível, com o Fogão brigando para não ser rebaixado pela 2ª vez em sua brilhante história.

Ontem, novamente um bando de desalmado vestiu o manto sagrado que já foi de Nilton Santos, Didi e Garrincha. Esse time, não sei se acompanhado da diretoria, ou o inverso, provou mais uma vez que não tem fibra, garra, vontade, respeito e dignidade, pois se assim fosse, conseguiria ao menos uma vez no ano jogar duas partidas com entrega total. Mas não, para esse grupo, o que eles fizeram contra o São Paulo está de ótimo tamanho, então guardaram um pouco daquilo que raramente corre em suas veias para o duelo final contra o Porco.

E quem sofre sempre? O apaixonado torcedor, como nós, que lotaremos o mais moderno do Brasil, pois sabemos que uma queda para a série B será um tsunami em toda a estrutura alvinegra, e uma punhalada feroz em nossos corações.

O time merece esse apoio? Evidentemente que não, mas o clube é o BOTAFOGO, o qual nutrimos o sentimento maior da vida, o AMOR. Pode nos maltratar, como sempre o fez, que te amaremos ainda mais. Nunca te abandonamos, nem ao longo de 21 anos sem títulos e sequer participar de finais. Não o traímos em 2003, te reerguemos, e o faremos sempre que for preciso, afinal, eu canto e respiro por ti FOGO.

Domingo estarei no Engenhão. Levarei todo o meu amor, minha paixão, minha fúria, minhas mandingas, meu amuleto, minha superstição, minha fé e meu grito por ti Fogo.

Levarei minha força, minha energia, minha magia e meu radinho de pilha. Estarei presente ao lado dos meus verdadeiros amigos, genuinamente alvinegros, como eu.

Levarei toda a sorte do mundo para ti Fogo. Sei que essa camisa compensará tudo o que falta em quem a vestiu neste ano. Sei que a força do Glorioso suplantará a ineficiência técnica desse grupo alugado por mais de 1,3 milhões mensais. Nossa torcida, quando quuis, sempre fez esse time jogar. Então vamos repetir o que fizemos contra os Bambis paulistas. Vamos apoiar incondicionalmente, o jogo inteiro, principalmente nos momentos adversos. Se assim fizermos e mentalizarmos desde já essa vitória, ela virá.

Depende de nós, então vamos fazer tudo que ainda nos cabe. Nós somos alvinegros, e jamais desistiremos.

EU ESCALO

Vamos ‘matar’ o Porco no mais bonito do Brasil, domingo, às 17h. Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Léo Silva, Renato e L. Flávio; Jobson e Reinaldo;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!

Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

domingo, 22 de novembro de 2009

FOGÃO VIRA NA RAÇA E EMOCIONA TORCIDA













FOGÃO 3X2 SÃO PAULO – 36ª RODADA – ENGENHÃO


“TU ÉS O GLORIOSO, NÃO PODES PERDER, PERDER PRA NINGUÉM...”

Simplesmente mágico. Uma emoção indescritível. Uma atuação vibrante. Pena que não foi assim o campeonato inteiro. Aliás, se assim fosse, esse jogo valeria o caneco.

Afirmar que o time do Fogão é fraco é chover no molhado. É só lembrar que temos Fahel, Léo Silva, Emerson, Alessandro, Wellington etc. Time que não foi coeso e inúmeras vezes decepcionou o massa alvinegra. Faltou sinergia entre time e torcida na competição. Lamentável, pois são 38 jogos pra que o time diga a que veio. E o nosso disse que veio para não cair. Esperamos que ao menos este objetivo seja cumprido, pois até aqui só serviu para nos deixar hipertensos.

Que drama! Virada dos bambis e revirada no placar pelo Glorioso no fim. Bota com 8 em campo e um desespero nas arquibancadas compunham a trilha de um jogo épico. BOTAFOGO 3x2 SÃO PAULO – ENGENHÂO – 21/09/909.

TABELA DO FOGÃO

Domingo 29/11 17:00 / Brasileirão 2009 37ª rodada Atlético-PR x Botafogo
Domingo 06/12 17:00 / Brasileirão 2009 38ª rodada Botafogo x Palmeiras

O JOGO

Começamos pressionando e fazendo valer a força da nossa torcida, que foi ao Engenhão para apoiar o jogo inteiro pela primeira vez. Digo isso porque fizemos 1x0 e eles viraram o placar. Ainda assim o torcedor que compareceu utilizou a inteligência e apoiou ainda mais, mesmo na adversidade. Resultado: Bota partindo pra cima sem medo de ser feliz.

Jobson entortou Renato Silva e acertou o ângulo de Rogério Ceni. Golaço do Fogão. 1x0 Bota e explosão no mais bonito do Brasil. O gol foi aos 15' do tempo inicial. Infelizmente não mantivemos o ritmo e deixamos os Bambis alugarem meio de campo. O Bota não aproveitava os espaços, mas quando o fez, Jobson entrou livre e perdeu sozinho diante de Rogério Ceni. Mesmo desfalcados, os paulistas criaram chances. No fim, a pressão era enorme e eles acertaram a trave de Jefferson. A impressão de quem estava no Engenhão era de que a arbitragem esperava o gol de empate para encerrar a 1ª etapa. Dito e feito. Gol aos 50’ de jogo. Washington subiu livre e testou à direita de Jefferson. 1x1 e maus presságios no Engenhão.

No tempo final o Bota entrou em campo dormindo e o castigo veio à jato. Na Cobrança de lateral, Washington protegeu e Jorge Vagner deu de bico. 2x1 Sampa e a velha pulginha reaparece. Fiquei apreensivo, ainda mais sabendo que o Flor já vencia o Sport.

Sem nada a perder, digo, com tudo a perder, o Fogão foi pra cima. Graças a Deus Jobson estava inspirado. Ele acreditou, foi ao fundo duas vezes e cruzou. Na primeira deu rebote e ele voltou a campo para colocar a redonda na cuca legal do Soneca. 2x2 aos 16’ e Bota no jogo de novo, com chororô dos 'delicados' são paulinos.

O gostoso de Engenhão ontem foi que a torcida, ciente de que não adiantava vaiar, apoiou incondicionalmente até o fim. E assim exigiu dos atletas superação, algo raro nesse brasileirão. Pressionamos, criamos, e nada de o gol sair.

Estevam tentou de tudo. Veio de V. Simões e depois de Jônatas, já aos 30 da etapa derradeira. O Bota sufocou, mas os bambis mandaram um míssil na trave de Jefferson, com Hernanes. Como essa bola não entrou logo vi que os Deuses aprontavam uma tarde-noite feliz para os alvinegros. 44', Jobson recebe em velocidade, entorta Miranda e bate forte. Golaço do Fogão. 3x2 e loucura no mais moderno do Brasil. Indescritível a emoção. Só quem estava lá sabe o que foi comemorar esse golaço no final do jogo. Muitos brigaram com as lágrimas persistentes que insistiam em cair, inclusive este amigo mas, como a maioria, me permiti ser feliz ao extremo. Afinal, se é pra cair, que sejam nossas lágrimas de felicidades.

Daí até o fim ainda teve requintes de desespero. Jobson foi expulso no lance do gol. E Rodrigo Dantas prova que ainda tem muito que amadurecer. O fato é que ficamos com 8 em campo. E ainda assim conseguimos segurar os paulistas por mais dois minutos. E fim de papo. Uma vitória maiúscula do Bota sobre o líder e virtual campeão brasileiro. Time que não vencíamos havia cinco anos. Uma alegria dobrada no Engenhão e multiplicada em casa, com o empate da molambada no Maracanã.

Vejam, eles comemoraram tanto a vitória alvinegra que se esqueceram de fazer o dever de casa. Até entendo, pois é muito gostoso e salutar torcer pela Estrela Solitária. Tô nem aí. O fato é que vencemos os paulistas e não colocamos a faixa de campeão nos urubus. Ainda tive o prazer de curtir nas ruas do Méier a volta pra casa da molambada, todos com nariz de palhaço e sem largar o lenço, o papel higiênico que framenguista chama de lenço de papel. Ah, isso não tem preço. Salvamos o ano. Que fim de semana!

É bom lembrar: Nós somos alvinegros, e não desistimos nunca!

Estevam Soares: Não sei o porquê do Fahel. O cara é nulo em campo. Mas tentou mudar o panorama com Simões e Jônatas. O Time foi vibrante, mas não compreendemos o recuo excessivo mais uma vez. Ah, por que Alessandro não joga como um simples lateral?!?

Destaques: Jefferson e Jobson;
Jogou bem: Guerreiro, Renato e Diego;
Garra: Guerreiro;
Comprometeu: ...;
Irritou: ...;
Desafinou: Rodrigo Dantas, Victor Simões e Lúcio Flávio;
Ninguém viu: Reinaldo;

EU ESCALO

Vamos pra ganhar do Furacão lá dentro. Juninho, Dantas e Jobson desfalcam. É hora de superação. Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Émerson, Wellington e Diego; Guerreiro, Léo Silva, Renato e L. Flávio; V. Simões e Reinaldo;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!

Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

sábado, 21 de novembro de 2009

1995 - AGONIA E EMOÇÃO NO TÍTULO DO FOGÃO
















Que saudade eu tenho... Com ele em campo, não tinha placar em branco

O ano era 1995. Fogão na final do Brasileirão e muito próximo do tão sonhado título de melhor do Brasil. O adversário era o Santos, time de melhor campanha e muito badalado pela mídia paulista.

O Bota tinha a melhor dupla de ataque do país: Túlio e Donizete. O craque do campeonato jogava no Santos: Geovanni.

O 1º jogo da final foi no Maracanã, numa quinta-feira à noite. Horas antes caiu um dilúvio na cidade e chegou a se pensar no adiamento do jogo. E os mais pessimistas já imaginando que eram coisas que só acontecem ao Botafogo. Só que, neste caso, maus presságios para o Fogão. Que nada! A chuva parou justamente na hora que a bola rolou. E a drenagem do Maraca permitia aos talentosos exibirem sua arte.

A torcida não lotou o estádio, mas os 56 mil pagantes, nas circunstâncias, não foi de todo ruim. O Bota fez 2x1 ainda no 1º tempo. E desperdiçou boa chance de fazer um placar melhor no tempo final. Resultado: a torcida ficou tímida e apreensiva, pois o Santos goleara o Flu e passara às finais justamente quando precisou vencer por 3 gols de diferença. Vencer por um gol apenas seria barbada. E pasmem: eles, os santistas, gritaram é campeão em pleno Maracanã. Aquilo foi demais, a ponto de o nosso grande zagueiro, Gonçalves, dirigir-se à torcida alvinegra e cobrar entusiasmo e o voto de confiança no time. Ora, precisávamos apenas de um empate em Sampa. E o Santos não tinha mais Pelé!

Confesso que eu mesmo fui para casa com uma pulguinha atrás da orelha. Mas ela já me acompanhava. Mas aí pensava na capacidade do meu time, na firmeza da zaga com Gottardo e Gonçalves, nos leões Leandro Ávila e Jamir, na raça do Beto, na disposição de Sérgio Manoel, na entrega do Pantera e na fase iluminada do nosso artilheiro Túlio. E acreditava muito em Paulo Autuori. Um desconhecido em busca do 1º título na carreira. Ah, nosso goleiro, Vagner, não inspirava muita confiança, mas o time sim.

Em São Paulo fizemos um jogo que entrou para a história. Foi a maior atuação que eu vi de um goleiro do Bota. E a maior entrega de um time. Não teve esquema tático, sobretudo no 2º tempo. Foi só coração e muito pensamento positivo para tirarmos com os olhos as poucas bolas que passaram por Vagner. Foi um jogo tão dramático quanto o de 89. Eu mesmo não consegui me alimentar no dia desse jogo. Quando Cerdeira apitou o final do jogo, 1x1, e Fogão campeão brasileiro, não me contive e deixei cair as persistentes lágrimas que encharcavam meus olhos ao longo da partida. Gritei, chorei, extravasei e vivi um dos momentos mais felizes da minha vida.

Amigos, alvinegros de coração, lembrem-se de que já ficamos 21 anos sem títulos, e paradoxalmente aumentamos o amor por este clube. O Botafogo nos consome integralmente. Respiramos Botafogo. Sonhamos com o Bota triunfando mundialmente.

O ano agora é 2009. O Bota não tem o melhor time do Rio, pelo contrário, no momento é o de menor fibra. Exibimos um futebol inconstante, alternando atuações dignas das duas zonas principais da competição: O G4 do bem e o G4 do mal. Acho que fizemos uns 10 bons jogos, outros 10 péssimos jogos e uns 15 jogos desinteressados. Campanha incompatível com a grandeza desse clube. Só ganhamos três partidas consecutivas no final, e ainda assim não foram suficientes para nos livrar da ameaça de rebaixamento. O grupo é instável e com jogadores sem alma, mas acima de tudo é BOTAFOGO! E isso por si só já basta, Ah, o homem da foto, aquele malvado, cruel, e temido pelos zagueiros, já abençoou o mais bonito do Brasil. TODOS AO ENGENHÃO AMANHÃ!!!

Quem quiser acompanhar este amigo, estarei na ala Leste a partir das 15h45, em frente à bilheteria, com a camisa do SAUDAÇÕES ALVINEGRAS. Vamos nos encher de júbilo novamente e gritar que somos BO – TA – FO – GOOO!!!!

EU SOU ALVINEGRO DE CORAÇÃO E JAMAIS DESISTIREI!

“E hás de ser, nosso imenso prazer
Tradições, aos milhões tens também,
Tu és o Glorioso, não podes perder, perder pra ninguém...”

Força Sempre Fogão!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

LANÇAMENTO DO LIVRO ‘BOTAFOGO – O GLORIOSO'





Caros apaixonados pela Estrela Solitária,

O momento é turbulento, mas sempre foi assim com o nosso Fogão. Convivemos em meio a terremotos e cataclismos, nunca navegamos em mares serenos, ou se assim fosse, não haveria de ser Botafogo, o clube brasileiro com a mais rica história.

Um dos mais citados por diversos autores, o Botafogo de Futebol e Regatas receberá mais uma homenagem do seu maior patrimônio: sua torcida.

Nesta segunda-feira, dia 23, haverá o lançamento do 2º livro desse grande jornalista e escritor, e sobretudo, um genuíno alvinegro: ROBERTO PORTO.

O livro BOTAFOGO – O GLORIOSO’ será lançado na Livraria SARAIVA do RIO SUL, às 19h.

O Porto mantém o blog (HTTP://BLOGDOROBERTOPORTO.BLOGSPOT.COM/) e desde já convoco a todos para prestigiarmos este lançamento, sendo movido pelo principal combustível que nos mantém Botafogo: o AMOR.

Saudações Alvinegras

domingo, 15 de novembro de 2009

FOGÃO COCHILA 90 MINUTOS E LEVA SACO DO BARUERI





FOGÃO 0X3 BARUERI– 35ª RODADA – BARUERI

'O Botafogo foi chocho, surreal e mereceu o resultado'. Estevam Soares.

‘Não criamos nada na frente, não marcamos bem atrás. Fomos uma equipe desinteressada em campo. Com tudo isso, não merecíamos vencer essa partida’ – Juninho.

E isso lá são horas de jogar mal e pior, entrar em campo desinteressado quando o futuro do Botafogo está em jogo?!?

Sinceramente não entra na minha cabeça uma equipe grande fazer esse mea-culpa num momento como este. No mínimo era passível de punição e corte do salário do mês, ou rescisão unilateral com ressarcimento ao clube e aos seus torcedores.

Ora, faltam apenas 3 jogos e o Flor acaba de vencer o Furacão, reduzindo assim para dois pontos apenas nossa vantagem. E com esse futebol conseguiremos ganhar do líder do brasileirão domingo, no Engenhão?

Difícil crer e se acostumar, mas o Botafogo é assim, uma incógnita. Sempre espere o pior quando o apontarem como favorito ou esperarem algo de produtivo da equipe, como no jogo de hoje. Êta time insuficiente esse do Estevam.

Por falar em Estevam, ele deve estar felicíssimo. Jantou com o prefeito e reviu amigos e seus ex-atletas. Deve ter morrido de saudade da tranqüilidade de Barueri e por isso escalou o meio de campo com Fahel e Léo Silva, sacando Renato em sua melhor fase.

Surreal é você Estevam e toda essa diretoria alvinegra. Desinteressado é todo esse grupo, covarde e incapaz de mostrar ao menos raça e dedicação num momento crucial do campeonato. Vejam, mesmo o Flor, virtualmente rebaixado no meio da competição mostra superação no final, e nós? Demonstramos uma parcimônia incompatível com o desejo de permanecer na elite. De todos os ameaçados, somos a equipe com menos pegada.

O que vou falar após a tragédia da Arena Barueri? Um time que entra em campo com Fahel e Léo silva no meio de campo não almeja vencer o jogo. E o que dizer de Alessandro?

Pedimos para perder e fomos atendidos prontamente. E em ritmo de treino. Sim, o Barueri jogou como quis, como se fosse um coletivo. E o Bota assistiu. Passivamente, o jogo inteiro. Inconcebível.

Fomos dominados o jogo todo e não há do que reclamar. Placar justo. Injusto sim com o torcedor alvinegro, sobretudo pela forma como a equipe se comportou em campo.

Tabela do Fogão

Domingo 22/11 17:00 / Brasileirão 2009 36ª rodada Botafogo x São Paulo
Domingo 29/11 17:00 / Brasileirão 2009 37ª rodada Atlético-PR x Botafogo
Domingo 06/12 17:00 / Brasileirão 2009 38ª rodada Botafogo x Palmeiras
Mas é bom lembrar: Nós somos alvinegros, e não desistimos nunca!

Estevam Soares: pediu para perder e foi prontamente atendido. Escalou mal e organizou pior ainda o time. Não teve poder persuasão no intervalo, pois a equipe voltou com a mesma apatia para o tempo final. Suas alterações mostram que, ou não sabe nada do elenco ou é de fato péssimo estrategista;

Destaques: Jefferson;
Jogou bem: ...;
Garra: Guerreiro;
Comprometeu: ...;
Irritou: dessa vez o time inteiro;
Ninguém viu: o BOTAFOGO;

EU ESCALO

Agora é matar ou morrer no domingo, contra o líder São Paulo, no mais moderno do Brasil. Te vejo lá, naquele velho sofrimento, mas que terá um final feliz dessa vez. Eu Escalo: Jefferson, Thiaguinho, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Léo Silva, Renato e L. Flávio; Jobson e Reinaldo;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!


Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

domingo, 8 de novembro de 2009

FOGÃO JUNTA OS CACOS E VENCE COXA EM JOGO DE “6.000” PONTOS




FOGÃO 2X0 COXA – 34ª RODADA – ENGENHÃO

Antes de falar da excelente vitória alvinegra pelo brasileirão, quero me desculpar com a torcida alvinegra pela ausência após a vexatória derrota para o Cerro, pela Sul-Americana. Fui ao jogo e a sensação de quem presencia uma tragédia dessas é a de que acabamos de ser engolidos por um tsunami. Acusei o golpe. Recebi vários depoimentos de ferrenhos alvinegros mostrando sua indignação com o time e, sobretudo, por deixar escapar um caneco que nos foi oferecido de bandeja mais uma vez.

O meu sentimento até então era de impotência. Mas hoje, ao menos, o Fogão me fez voltar a respirar e vislumbrar uma reação, não para este ano evidentemente, mas para que em 2010 tenhamos orgulho de ser alvinegro. É claro que para isso é fundamental que o Fogão se mantenha na primeira divisão, e para tal devemos sim nos esquecer da incapacidade técnica e da velha falta de poder de decisão desse grupo, que sempre amarelou quando precisamos ser incisivos.

Na última crônica disse que sonhava com o seguinte na 34ª rodada: Botafogo 41, Coxa, 41, Furacão com 40, Santo André e Náutico com 35, Flor com 34 e Sport com 30. Quase acertei, com exceção das vitórias do Flor e do Furacão. Ainda assim abrimos 5 pontos que, faltando 4 jogos, é uma senhora vantagem. Primeira divisão é obrigação Botafogo!

TABELA DO FOGÃO

Domingo 15/11 16:00 / Brasileirão 2009 35ª rodada Barueri x Botafogo
Domingo 22/11 16:00 / Brasileirão 2009 36ª rodada Botafogo x São Paulo
Domingo 29/11 16:00 / Brasileirão 2009 37ª rodada Atlético-PR x Botafogo
Domingo 06/12 16:00 / Brasileirão 2009 38ª rodada Botafogo x Palmeiras

O JOGO

Recusei o convite do amigo Flávio, que estreava seu filho Túlio no mais moderno do Brasil. Ainda estava abalado, mas o Fogão foi quem entrou para abalar os curitibanos. Com uma postura agressiva, no bom sentido, o Bota encurralou o Coxa desde o primeiro minuto, criando inúmeras oportunidades de abrir a porteira, mas a falta de capricho e as mãos salvadoras de Vanderlei impediam. Alugamos meio de campo e Renato e Diego faziam ótima partida pelo lado esquerdo. Já na direita Jobson estava ensaboado, pena que não tivesse um companheiro à altura, pois dependia do acéfalo Alessandro para tabelar.

Nem de longe lembrávamos do Fogão hesitante da última quarta-feira. Jobson chegou a balançar a rede, mas em posição ilegal. Reinaldo exigiu uma defesaça de Vanderlei. Depois até Alessandro teve chance, batendo rasteiro, mas Vanderlei tirou com a ponta dos dedos. Até os 20 perdemos pelo menos quatro chances de gol. Cadenciamos e buscamos o momento ideal com inteligência. Renato tabelou com Diego e recebeu em diagonal. Ele dominou e chutou entre o goleiro e a trave direita de Vanderlei. Simples assim. 1x0 Fogão.

Futebol é simples para quem sabe. Se até Renato e Diego conseguem o trivial, por que então esse time não joga simples assim o campeonato inteiro?!?

O Bota ainda poderia ter ampliado num lance de craque de Jobson, que passou por toda a zaga paranaense e bateu forte. Vanderlei espalmou. Fim de papo com alegria pela vitória parcial e concomitantemente o receio de que os gols perdidos poderiam ser lamentados no fim, afinal isso é Botafogo.

Era de se esperar um Botafogo defendendo o resultado para sair na boa. Só não precisava recuar tanto. Demos campo ao Coxa e sofremos. Eles dominaram a zona inteligente do gramado e chegavam com facilidade pelo lado do Alessandro. Criaram algumas chances, mas as que foram à meta alvinegra bateram e voltaram no ‘paredão’ botafoguense: JEFFERSON. Sem ele já teríamos jogado a toalha.

Com a segurança de Jefferson, defendendo uma bola de Marcelinho Paraíba, que iria no ângulo, o Bota resolveu decidir. Jônatas arrancou pelo meio e viu Reinaldo. Este entrou pelo meio até rolar para L. Flávio na esquerda. Este cortou dois adversários e encheu o pé: Golaço do Fogão: 2x0 e delírio alvinegro no mais moderno do Brasil.

Esse foi de fato o gol do alívio. É claro que nenhum botafoguense relaxa antes do apito final. Então ficamos ligados e cortando todas as bolas, mas Wellington deu mole no fim, errando a proteção da bola e derrubando o atacante adversário dentro da área. Para nossa sorte o bandeira marcou falta. Seria um sufoco só se fosse decretada a falta máxima. No finzinho Juninho tentou deixar o dele em cobrança de falta. Vanderlei deu rebote e Jobson quase pega a sobra. E fim de papo com a galera voltando a festejar, cantando o hino mais bonito do Brasil e sonhando com um time que seja herói em cada jogo, o ano inteiro.

Nós somos alvinegros, e não desistimos nunca!

Estevam Soares: dessa vez achou o time ideal. Organizado e envolvente, com Diego e Renato falando a mesma língua e Reinaldo rendendo como centroavante. Conseguiu atacar sem desguarnecer a defesa. E não nos afobamos com a falta do gol no início do jogo. Discordo, entretanto, do recuo no tempo final. Pra quê dá tanta chance pro azar que sempre nos acompanha?!?

Destaques: Jefferson, Diego, Renato, L.Flávio e Jobson;
Jogou bem: Guerreiro, Juninho e Reinaldo;
Garra: Guerreiro;
Comprometeu: ...;
Irritou: ...;
Desafinou: Alessandro;
Ninguém viu: Victor Simões;
EU ESCALO
Foco agora só no brasileirão. Domingo é o Barueri lá dentro. Jogo difícil, mas só nos resta vencer. Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Léo Silva, Renato e L. Flávio; Jobson e Reinaldo;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!


Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

NA BASE DA SUPERAÇÃO, FOGÃO BATE INTER NO BEIRA-RIO





FOGÃO 1X0 INTER – 33ª RODADA – BEIRA-RIO

Que adrenalina! Durante 90 minutos nós alvinegros aceleramos nossos batimentos cardíacos, maltratando ainda mais nossos combalidos corações. Que bom que já nos acostumamos, pois coração de botafoguense não bate, apanha. Êpa, êpa, êpa, quem disse essa blasfêmia? Claro que bate sim, e ontem surrupiamos os gaúchos na sua casa. É Tchê, a gauchada tá procurando até agora o petardo de Juninho. Que golaço! E dessa vez não teve retribuição da zaga não. O ferrolho alvinegro fora composto por praticamente por todo o time, mas dessa vez com uma eficiência singular.

Em termos de tabela, esperava abrir vantagem maior após o apito final. Mas terminamos com os mesmos 3 pontos da rodada anterior. A vantagem mesmo é que o campeonato afunilou, faltam só 5 jogos e atuamos fora de casa. Na próxima rodada, jogaremos no Engenhão, contra o Coxa, enquanto Santo André e Náutico atuarão fora dos seus domínios, contra Corinthians e Santos. O Flor jogará no Maraca contra o Porco. E o Leão... bem, o Leão virou gatinho.

Estou sonhando com o seguinte na 34ª rodada: Botafogo 41, Coxa, 41, Furacão com 40, Santo André e Náutico com 35, Flor com 34 e Sport com 30. Ficaremos a 4 rodadas do final e com 6 pontos de vantagem para os concorrentes.

Tabela do Fogão

Domingo 08/11 18:30 Brasileirão 2009 34ª rodada Botafogo x Coritiba
Domingo 15/11 16:00 Brasileirão 2009 35ª rodada Barueri x Botafogo
Domingo 22/11 16:00 Brasileirão 2009 36ª rodada Botafogo x São Paulo
Domingo 29/11 16:00 Brasileirão 2009 37ª rodada Atlético-PR x Botafogo
Domingo 06/12 16:00 Brasileirão 2009 38ª rodada Botafogo x Palmeiras


O JOGO

Dois minutos jogados. Andre Lima recebe falta violenta de Guiñazu na entrada da área. Posição à feição de Juninho. Nem muito perto, nem muito longe. Ele concentra-se e solta o canhão. Lauro salta e vai buscar lá dentro. Golaço do Fogão e comemoração desse apaixonado pela estrela solitária e de toda a massa Gloriosa em todo o Brasil. 1x0 Fogão.

Daí até o fim defendemos o resultado. A diferença é que pela primeira vez neste campeonato soubemos fazer isso, e na hora certa. Ainda no tempo inicial tivemos algumas escapadas, em todas Jobson desperdiçou e nos irritou. André Lima era figurante apenas. Léo Silva, pasmem, destacava-se positivamente, atuando onipresente e rechaçando como dava. L. Flávio aparecia mais defendendo do que criando. E Fahel não aparecia de forma alguma, a não ser num lance em que derrubou D’Alessandro na área. Pra nossa sorte o juiz entendeu que houve simulação do argentino.

No tempo final, dada a postura alvinegra, começava a me animar. Mas André Lima não permitiu. Expulso de forma infantil, prejudicou o time. Durante 42 minutos jogamos praticamente dentro da nossa intermediária. Era bola pro mato que o jogo era de campeonato. Mais do que isso, era a vida do Fogão na primeirona. Fahel continuou omisso, assim como L.Flávio. E Jobson perdeu lugar para V. Simões. Este limitou-se ao combate e não havia quem prendesse a bola lá na frente.
Com a saída de Guerreiro, contundido, Emerson entrou para recompor a defesa e o combate à frente da área. Ufa! Que sufoco, mas chance real mesmo não foi criada pelo ‘Colorado’. Mas a redonda foi algumas vezes para a nossa meta, mas Jefferson, inspiradíssimo, fechou o gol com tijolo e cimento. Não passava nada, até mesmo quando uma bola vadia ia escorregando Wellington salvou com os pés. Foi assim até o final, com nossos guerreiros lutando como se fosse a última batalha. Não era, mas esse espírito é nosso maior combustível para arrancar para a Sul-Americana e manutenção na série A.

Mais do que nunca, eu ainda sonho com a primeirona e o caneco Sul-Americano em 2009. Nós somos alvinegros, e não desistimos nunca!

VENDA DE INGRESSOS PARA FOGÃO X CERRO E FOGÃO X COXA

Setor Sul: R$ 10,00 inteira / R$ 5,00 meia; Setor Norte: R$ 10,00 inteira / R$ 5,00 meia; Setor Leste Superior: R$ 20,00 inteira / R$ 10,00 meia; Setor Leste Inferior: R$ 20,00 inteira / R$ 10,00 meia; Setor Oeste Superior: R$ 20,00 inteira / R$ 10,00 meia; Setor Oeste Inferior: R$ 30,00 inteira / R$ 15,00 meia
(http://www.ingressomais.com.br/)


LOCAIS DE VENDA

Sede de General Severiano e Estádio Olímpico (exceto domingo e segunda-feira); e postos credenciados.

Postos Credenciados:

Postos de Gasolina
BR Parque das Rosas: Avenida das Américas 3757 – Barra da Tijuca
BR Piraquê: Avenida Borges de Medeiros, s/n – Lagoa
BR Radial Oeste: Avenida Presidente Castelo Branco – Tijuca
BR Piratininga – Avenida Almirante Tamandaré – 665
BR Jacarepaguá - Estrada dos Bandeirantes
Posto Shell – Avenida Roberto Silveira 9 – Icaraí
Posto Shell – Rua Felipe Cardoso, 1975 – Santa Cruz

Agências de Turismo / Lojas
Levi’s Petrópolis: Rua Dr. Nelson de Sá Earp, 88 lj39 – Petrópolis
Zoar Centro - Av. Graça Aranha, 81 sl613 - Centro
Sushiquim - Rua das Laranjeiras, 115 - Laranjeiras
900 Graus: Praça Porto Rocha, 6 loja – Cabo Frio
900 Graus: Rua Professor Francisco Fonseca, 423 Bacaxá – Saquarema
900 Graus: Avenida John Kennedy, 292 loja 128 – Araruama
Acr Caxias: Rua José de Alvarenga, 200 – Centro de Caxias
Banco de Areia: Shopping Downtown – Barra

Lojas South
Norte Shopping – Cachambi
Búzios - Av. José Bento Ribeiro Dantas
Plaza Shopping – Niterói
Shopping Grande Rio – São João de Meriti
West Shopping – Campo Grande
São Gonçalo Shopping
Madureira Shopping
Shopping Nova América – Del Castilho
Carioca Shopping – Vicente de Carvalho
Center Shopping – Jacarepaguá
Passeio Shopping – Campo Grande
Santa Cruz – Rua Felipe Cardoso
Bangu Shopping
Botafogo Praia Shopping
Caxias Shopping
Via Parque Shopping – Barra

Estevam Soares: não armou o time para se defender, mas com o que tinha à disposição e com o gol no início, o jeito era fechar o time e contragolpear. Ainda fizemos isso no tempo inicial, mas André Lima fez com que nos fechássemos para segurar o placar. Tentou mudar o panorama com V. Simões, sem sucesso. Ainda não entendi a escalação de Fahel quando Batista estava à disposição.

Destaques: Jefferson, Juninho e Léo Silva (incrível, mas jogou bem 90 minutos);
Jogou bem: Guerreiro e Thiaguinho;
Garra: Guerreiro;
Comprometeu: André Lima;
Irritou: Fahel e André Lima;
Desafinou: Jóbson e Lúcio Flávio;
Ninguém viu: Victor Simões;

EU ESCALO
Quarta-feira é a forra e classificação às semifinais da Sul-Americana, no mais bonito do Brasil. Já vou comprar meu ingresso. Tem promoção. Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Léo Silva, Renato e L. Flávio; Victor Simões e Reinaldo;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!

Força Sempre Fogão!


Saudações Alvinegras

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

EM JOGO DRAMÁTICO, FOGÃO BATE TIMBU E SAI DA ZONA NEGRA






FOGÃO 1X0 NÁUTICO – 32ª RODADA – ENGENHÃO

Ufa! Esconjuro, pé-de-pato, mangalô três vezes, sai pra lá com essa inhaca! O Fogão venceu. E venceu jogo-chave, de 6 pontos.

De quebra, saímos da zona maldita e abrimos de novo 3 pontos para quem tem a lama acima dos olhos. É pouco ainda? Sim, mas nas circunstâncias as esperanças alvinegras renasceram nesta rodada.

Vejam: o 1º passo e o mais importante era o Fogão vencer quem poderia ultrapassá-lo. Isso fizemos. E a duras penas. Tô nem aí, 3 pontos que quero comemorar até o ano que vem. 2º, o Santo André vencia o Cruzeiro, de virada, no Mineirão, até os 39' do 2º tempo. Isso significava o retorno à zona nevrálgica e uma ducha de água fria nas esperanças botafoguenses. Mas aí os Deuses finalmente nos ajudaram. Virada mineira aos 47’ do tempo final. Que drama! Vi esse jogo e fiquei tão nervoso quanto no jogo do Bota.

Todo sofrimento para botafoguense parece infinito. Mas dessa vez valeu. Ah, e pra completar a noite alvinegra, derrota do ‘framengo’ para o Barueri. Que gostoso! Confesso que às vezes não sei se comemoro mais a vitória alvinegra ou a derrota deles. É saboroso demais. No final das contas, vão acabar que nem a gente, sem Libertadores e se contentando com a Sul-Americana. E ainda com chororô.

O JOGO

Cheguei em casa no início do tempo final. Mas sei que nosso 1º tempo foi pra se descartar. Do tempo que vi foi aquele drama o qual nos acostumamos. Fogão na pressão, sem organização e alçando bola na área sem objetividade. Pior ainda era o espaço cedido aos pernambucanos. Numa dessas investidas, o velho Tuta apareceu livre na área e encheu o pé para ótima defesa de Jefferson.

No sufoco, o Bota partiu com tudo, e nada de chance concreta. Faltava luz no meio de campo. Aliás, ao time inteiro. E foi num lampejo que decidimos o jogo. Diego invadiu pela esquerda e chocou-se com o zagueiro. Pênalti meio maroto marcado pelo Gaciba, que tenta se redimir com o Fogão. Juninho concentra-se e bate forte, no canto direito do goleiro. Gol do Fogão e alívio alvinegro em todo país.

Daí até o final foi pura adrenalina. Sem voz, suando frio e com taquicardia fiquei até o apito final. E como comemorei essa vitória. Pela nossa história recente, uma derrota para o Náutico com uma vitória do Santo André poderia selar antecipadamente nossa queda ao inferno. Por isso valeu demais.

Eu ainda sonho com a primeirona e o caneco Sul-Americano em 2009. Nós somos alvinegros, e não desistimos nunca!

BOLA FORA
Para a diretoria alvinegra. Num jogo em que eles deveriam clamar pelo torcedor no estádio, fazendo promoção com ingressos a R$ 10,00 ou R$ 5,00, o que fazem nossos 'sábios' comandantes? Resolvem aumentar em 100% o preço do ingresso no setor onde se concentrava a torcida. E ainda setorizaram o Engenhão com medo do público. O Flor tá colocando ingresso até a R$ 2,00. O Botafogo, com essa diretoria, não é sério mesmo!

Estevam Soares: tá perdido no comando alvinegro. Ora Batista é titular, ora nem no banco fica. O mesmo ocorre com Léo Silva. Jônatas de repente é titular e joga 90 minutos. E o Bota vem no limite.

Destaques: Jefferson;
Jogou bem: Guerreiro, Reinaldo, V. Simões e Rodrigo Dantas;
Garra: Guerreiro;
Comprometeu: ...;
Irritou: Fahel;
Desafinou: Jóbson e André Lima;
Ninguém viu: Jóbson;

EU ESCALO
Domingo é o Inter, no Beira-Rio. Reinaldo, Alessandro, Renato e Jônatas estão suspensos. Eu Escalo: Jefferson, Thiaguinho, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Léo Silva, Batista e L. Flávio; Victor Simões e André Lima;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!

Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

domingo, 25 de outubro de 2009

MAIS DO MESMO. FOGÃO PRESSIONA, PERDE O JOGO E A LAMA AUMENTA






FOGÃO 0X1 URUBU – 31ª RODADA – ENGENHÃO

Fazer o quê né. Perdemos outro jogo-chave, mais uma derrota para o Fla, o qual não vencemos há 10 jogos, e de quebra nos atolamos no lama.

Desculpem-me, mas prefiro no comentar este jogo conforme o padrão do Saudações Alvinegras. É duro perder mais uma vez para nós mesmos. Vejam, o melhor jogador deles outra vez foi o goleiro. Jogaram todo o 2º tempo sentado na vantagem de 1x0 e rifaram quase todas as bolas. Ora, então fomos incompetentes ao extremo para nem empatar sequer? Sim, abusamos da nossa incompetência outra vez.

Lúcio Flávio, que era exímio cobrador de pênaltis, hoje nem este fundamento possui mais. Aliás, ele telegrafou a cobrança do penal e facilitou a defesa de Bruno, que parecia já saber aonde a bola iria, saltando antes do toque na redonda.

Nossa zaga continua tratando o inimigo com fidalguia, como no lance do gol da partida em que Juninho e Wellington fizeram carinho em Adriano.

O Fogão dominou, desarmou mais, chutou mais, mas nã foi eficiente.

Não dá tempo nem de se lamentar mais. Teremos já nesta quarta-feira o duelo com o Náutico, concorrente direto na briga contra a série B. Precisamos de 4 vitórias e um empate em 7 jogos. A corda apertou, mas ainda dá. Temos de acreditar, não quero jogar a série B.

EU ESCALO

Te vejo lá no Engenhão na quarta-feira, às 19h30, contra o Timbu. É matar ou morrer. Jogo de 6 pontos. L. Flávio está suspenso, menos uma irritação. Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Batista, Jônatas e Reinaldo; Jobson e André Lima;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!

Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

COQUETEL MOLOTOV NA GUERRA DO PARAGUAI














FOGÃO 1X2 CERRO PORTEÑO – 1º JOGO – QUARTAS-DE-FINAL - PARAGUAI

Junte no mesmo time Emerson, Léo Silva, Fahel, Thiaguinho e um juiz argentino e arremesse-os ao Paraguai, mais precisamente no estádio do Cerro Porteño. Resultado: um verdaeiro coquetel molotov e derrota alvinegra em jogo fácil de liquidar.

Que tragédia. Prefiro não comentar o jogo, marcado pelas lambanças da arbitragem e do quarteto acima. Inacreditável como Fahel, Léo Silva e Émerson, depois de tudo que já aprontaram, ainda compõem o elenco do Fogão. E o que dizer desse peladeiro e ex-auxiliar de pedreiro que é o Thiaguinho?!? Pelo amor de Deus, ‘horrorível’. A profissão de pedreiro é honesta e não sei o porquê de o Thiaguinho não voltar a ganhar seu suado dinheirinho justificando o salário no fim do mês. Tudo, menos maltratando e maculando nosso manto Glorioso.

Foi uma noite trágica. Perdemos um jogo pela Sul-Americana e ao mesmo tempo voltamos à zona infernal do Brasileirão. Desgraça para Botafoguense parece mesmo infinita. Mas é aí que me lembro das grandes façanhas desse clube secular. O Fogão adora aprontar nesses momentos e nada melhor do que pegar o urubu quando estamos por baixo. O Fogão é superação. E domingo os Deuses do futebol jogarão conosco. Sinto essa energia positiva e creio que venceremos a maior batalha do Engenhão até aqui.

Venceremos o time que não tem estádio. Depois deixaremos aflitos os pernambucanos do Timbu, nos refrescaremos no Beira Rio, às margens do rio Guaíba, e mostraremos aos gaúchos como carioca se diverte no rio. Depois daremos uma surra com juros nesses paraguaios de araque. Quero 5x0 e não dou troco.

Nós somos alvinegros e não desistimos nunca!

Estevam Soares: será que precisa ver mais o quê para não escalar mais Emerson, Fahel, Léo Silva e Thiaguinho?!? Fala sério, quase perdemos a vaga ontem mesmo por culpa desse quarteto. E chega de Victor Simões! Por que não o Batista no meio de campo?

Destaques: Jefferson;
Jogou bem: Alessandro, Batista, L. Flávio e Guerreiro;
Garra: Guerreiro;
Comprometeu: Emerson, Fahel, Léo Silva e Thiaguinho e a arbitragem;
Irritou: Emerson, Fahel, Léo Silva e Thiaguinho e a arbitragem;
Desafinou: Renato, Gabriel, Emerson, Fahel, Léo Silva e Thiaguinho e a arbitragem;
Ninguém viu: Gabriel;

EU ESCALO
É hora de depenar e comer cru o urubu na batalha do Engenhão. Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Batista, L. Flávio e Renato Soneca; Jobson e André Lima;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!


Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

domingo, 18 de outubro de 2009

EM JOGO EQUILIBRADO, FOGÃO PERDE PARA RAPOSA, MAS NÃO ENTRA NA ZONA NEGRA



FOGÃO 0X1 CRUZEIRO – 30ª RODADA – MINEIRÃO

Dos males o menor. Mesmo jogando de igual para igual com a Raposa, no Mineirão, o pior aconteceu: derrota alvinegra. Quer dizer, pior mesmo seria se nossos concorrentes diretos contra o descenso vencessem. E isso só aconteceu com o Sport. Contudo, Náutico e Santo André, principais adversários no momento, perderam.

No momento o Fogão está com 32 pontos, 3 acima da zona maldita. E que desespero bateu quando o Náutico abriu o marcador. Por alguns minutos estávamos de volta ao inferno. Que agonia! Não, não queremos isso de forma alguma. E para tal vamos vencer o urubu no Engenhão. Eu acredito!

O JOGO

Foi um jogo de dois tempos distintos. O tempo inicial foi da Raposa, que surpreendeu Estevam com seu 3-5-2. Com três desfalques, e sabedor da petulância do nosso treinador de agredir o time da casa com 3 homens de frente, o treinador mineiro, Adilson, optou pelo reforço na defesa: uma zagueiro para cada atacante Glorioso. E foi feliz. Em parte, pela falta de inspiração alvinegra, outro, pela falta de um plano B, visto que nossa intenção era ficarmos com um atacante na sobra contra apenas 2 zagueiros fixos.

Sem aproximação do meio de campo no ataque, que ficou isolado, e sem reforço na marcação, parecia questão de tempo o gol mineiro. Por três vezes, Jefferson operou milagre. Duas nos pés de Tiago Ribeiro, e outra num balaço de Guerrón. O Bota só conseguiu escapar duas vezes, em ambas V. Simões chutou com perigo, e Fábio defendeu.

Estevam Soares mudou a postura do Bota no tempo final e tivemos um jogo aberto. Quando buscávamos o gol, sofremos um duro golpe. Primeiro, a falha clamorosa do Bandeira que assinalou um impedimento absurdo de Jóbson. Na sequência do lance, numa enfiada de bola no meio da zaga, falhas de Teco e Diego e conclusão certeira de Tiago Ribeiro. 1x0 Raposa.

Foi demais. Não sabia com quem me indignava mais, se com o Assistente ou com a bobeira da zaga alvinegra. O Bota continuou buscando o empate, mas Jóbson pecava nas conclusões. V. Simões até que não estava mal, mas também não era decisivo. Tentamos mudar o panorama, com Batista na vaga de Fahel. Depois Reinaldo e Rodrigo Dantas nos lugares de Diego e V. Simões. O Bota melhorou e apertou. Foi uma série de cruzamentos na área, mas a zaga da Raposa, alta, espanava tudo. Batista virou ala esquerdo e Rodrigo Dantas outra vez entrou bem na partida. No entanto, Reinaldo destoava, jogando como se fosse um beque de azul.

Com a grave contusão de Soares, aos 34’ do tempo final, o Bota teve a vantagem numérica, e durante 15 minutos foi literalmente ataque contra defesa. Batemos o recorde de bolas alçadas na área, e dessa forma estaríamos tentando até agora e nada de bola na rede. Nas sobras de bola, André Lima exigiu bela defesa de Fábio. E Rodrigo Dantas, em dois tirambaços, quase empatou. Aos 50’, L. Flávio cobrou falta e por muito pouco não acordou a coruja. E fim de papo. Alívio? Sim, pois os concorrentes diretos tropeçaram, mas a lama ainda está no pescoço. Ufa! Ainda tem jogão pela Sul-Americana, na quarta-feira. Nem sei o que o Fogão deve fazer. Por mim, como melhorou o preparo físico, manda o time titular mesmo. Eu ainda sonho com a primeirona e o caneco Sul-Americano em 2009. Nós somos alvinegros, e não desistimos nunca!

Estevam Soares: tentou uma estratégia de surpresa pra cima do Adilson, técnico mineiro. Mas não pensou num plano B. E o Bota foi envolvido no tempo inicial. Melhorou no 2º tempo, mas acho que deveria ter colocado o Renato Soneca no jogo, pois é o melhor jogador no jogo aéreo, e o Bota centrou infinitas bolas na cozinha mineira.

Destaques: Jefferson;
Jogou bem: Alessandro, Batista, L. Flávio e Guerreiro;
Garra: Guerreiro;
Comprometeu: o bandeira e a falha da zaga;
Irritou: Fahel;
Desafinou: Jóbson (levou perigo no 1º tempo, mas suas firulas irritaram e perdemos ótimos ataques);
Ninguém viu: Reinaldo;

EU ESCALO
Devemos ir de força máxima pra cima do Cerro Porteño, quarta-feira, no Paraguai. Ah, cadê o Gabriel? Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Juninho, Wellington e Diego; Guerreiro, Batista, L. Flávio e Renato Soneca; Jobson e André Lima;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!


Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

FOGÃO ARRANCA EMPATE NA FORÇA DA TORCIDA
















FOGÃO 2X2 AVAÍ - 29ª RODADA – ENGENHÃO

O empate do Fogão foi na raça e no grito da galera. Mais de 45 mil presentes no mais bonito do Brasil empurraram o Fogão pra cima do Avaí. Houve de tudo no Engenhão, que ficou pequeno para a massa alvinegra. Infelizmente nossa diretoria mais uma vez menosprezou a força de uma torcida apaixonada. E milhares voltaram pra casa, frustrando adultos e crianças.












Engenhão transbordando alvinegros. Devia ser sempre assim, mas com responsabilidade.

Em campo, vi o jogo a partir dos 30', quando consegui adentrar ao estádio. O Bota pressionou e faltou capricho nas finalizações. No fim do 1º tempo dois vacilos da zaga culminaram nos gols do adversário. Emerson aproveitou bem a liberdade e testou livre para abrir o placar: 1x0 Avaí. Em seguida, Wellington perdeu a dividida na pequena área e Willian bateu cruzado: 2x0 Avaí. E fim de papo no 1º tempo.

A torcida alvinegra ainda se acomodava no estádio, embora já estivéssemos no intervalo. Não houve vaias e sim apoio incondicional, como deve ser sempre. Com este clima o Fogão sufocou. Victor Simões entrou na vaga de Léo Silva e o Bota veio de tudo ou nada. Simões perdeu gol certo em cruzamento de Jobson. Mas no lance seguinte, ele mesmo pegou o rebote e encheu o pé: 2x1 Avaí. O Engenhão lotado comemorando gol alvinegro é sem igual, emocionante. E no calor de 45 mil alvinegros partimos com tudo. Era pressão em toda parte do campo. O empate veio aos 33’. L. Flávio cobrou falta, o goleiro capou a bola e Simões pegou outra sobra e levou o Engenhão ao delírio: 2x2 e muita festa no mais bonito do Brasil. Ah, minha esposa, Vanessa, pegou até uma vovozinha no colo. Era a família alvinegra em êxtase no estádio Olímpico.

O barulho era ensurdecedor. E todos acreditamos na virada, que quase veio com L. Flávio e com André Lima. Mas ficou nisso. E a torcida reconheceu o esforço do Fogão, aplaudindo pela dedicação. Nas circunstâncias, não foi um desastre. O Avaí marca muito forte e buscar o empate após desvantagem de 2 gols não é fácil, pois nem o líder conseguiu. Agora é bater o Cruzeiro no Mineirão e fugir de vez do Inferno.

BOTAFOGO HUMILHA CRIANÇAS E ADULTOS

O que se viu do lado de fora do Engenhão não coaduna de forma alguma com uma cidade olímpica. Pânico total. Pessoas perdidas, desorientadas, e muita confusão para entrar no estádio. Pra começar, as bilheterias da ala oeste não funcionaram, fazendo com que o torcedor desse uma volta olímpica na busca de bilheteria para adquirir seu ingresso. Mas o pior de tudo foi constatar que o Botafogo não confia na força da sua torcida. Incrível, não foi colocada à venda a carga máxima de ingressos, e sim apenas 30 mil, que esgotaram rapidamente. Assim, era um tumulto só e festa dos cambistas. Eles cobravam ingressos de meia-entrada com 400% de aumento, na cara da polícia, que era conivente. Eu e minha esposa vimos várias vezes aperto de mão de cambista com PM, e logo concluímos que éramos reféns dos homens de farda e daqueles que deveriam ser combatidos por eles.

Quem não vai sempre ao Engenhão e foi hoje, certamente não voltará tão cedo. Nossa torcida, historicamente, sempre comparece em bom número quando o time dá uma resposta, mesmo pequena, com foi agora, após duas vitórias consecutivas. O dia era festivo, feriadão, sol, e promoção de ingressos. No mínimo, era pôr carga total e mostrar que somos capazes de organizar Copa de Mundo e Olimpíadas no Brasil, mas provamos que estamos anos-luz de organizar competições de primeiro mundo. Nota zero para toda a diretoria do Botafogo. Nota 10 para a torcida alvinegra, forte e presente onde quer que o Fogão esteja.
















Arredores do Engenhão na ala Leste. Milhares de torcedores ainda tentavam entrar no estádio. Não havia mais ingressos desde as 14h30.


Bilheteria Oeste do Engenhão fechada contribuiu para a farra dos cambistas

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!


Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

FOGÃO DEPENA GALO, ACABA COM A MALDIÇÃO DO ENGENHÃO E AINDA SAI DA ZONA B








FOGÃO 3X1 GALO - 28ª RODADA – ENGENHÃO

Que nem pinto no lixo. É assim que se sente cada alvinegro após mais uma bela atuação do Fogão no Brasileirão. 4 dias após exibição de gala no Serra Dourada, dessa vez o Galo conheceu um pouco da nova mania alvinegra: vencer e convencer.

Pena que a forte chuva que caiu na cidade ao longo do dia (e da noite também) tenha afastado o público do estádio. Mas os 6.000 guerreiros alvinegros no mais bonito do Brasil lavaram literalmente a alma. Viram o gol 100 do Bota no ano e o gol 800 da competição, além da permanência do tabu de 10 anos sem perder para o Galo no Rio.

Conseguimos com antecedência de 10 rodadas o que muitos achavam que só aconteceria no fim. Fogão fora da zona maldita, provando que ‘Ser Botafogo é não desistir de insistir, de teimar e buscar. ’

O JOGO

O adversário era perfeito para a reação no brasileiro. No ano passado cansamos de assar o galo, mas cada jogo é uma história, concordo. Porém, felizmente, a história se repetiu contra os mineiros. Ontem entramos ligados e a pressão inicial surtiu efeito graças à postura ofensiva do Bota, com Estevam escalando 3 atacantes, sendo um deles onipresente: JOBSON.

É cedo para o venerarmos, mas se não se deslumbrar, ganhamos um belo atacante. O cara infernizou a defesa do Galo, e ainda provocou a expulsão de Jorge Luiz. Com Reinaldo e André Lima participando e L. Flávio coordenando, era questão de tempo e capricho o 1º gol alvinegro. Jobson chegou a driblar o goleiro, mas perdeu tempo de bola. Em seguida, L. Flávio lançou André Lima, a zaga parou e nosso matador dominou e fuzilou para decretar o gol 100 do Fogão no ano: 1x0 Fogão, aos 8’ de jogo.

A galera tinha enfrentado a chuva para apoiar o Fogão e esse gol no início facilitou tudo. A torcida ainda chegava no estádio quando L. Flávio recebeu de Diego, chamou a zaga mineira para o baile e com um toque sutil acordou a coruja: 2x0 Fogão e delírio em preto e branco no Engenhão. Foi o gol 800 do brasileirão, e que golaço!

Quem chegava depois não acreditava: 12’ de jogo e 2x0 Fogão. O Bota sufocava o Galo. Com tanta facilidade relaxamos, sem deixar de contragolpear. Jobson se infiltrava pelo meio, depois pelos flancos. Com jogadas dele, o Bota criou mais 3 chances, numa delas a bola sobrou para Reinaldo encher o pé e Carini operou milagre. Mas Jobson insistiu e recebeu de Reinaldo, invadiu pela esquerda e devolveu para o Rei. Ele amaciou e tocou no ângulo de Carini, para desespero da coruja: 3x0 Fogão e incrédulos, os alvinegros comemoravam outro belo gol.

O Fogão vencia e convencia, coisa rara no brasileirão. E ainda saiu barato, era pra ser de 4 ou 5 só no 1º tempo. Fomos para o intervalo relaxados pela 1ª vez em toda a competição. E logo constatamos que ser Botafogo 'é insistir e crer onde os fracos desistem. É conhecer o risco e ousá-lo e tudo fazer com categoria e vontade de viver. É vencer.'

Voltamos administrando o placar, já pensando no jogão de 2ª feira, com Engenhão lotado, contra o Avaí. Não fosse o pênalti infantil do fraco Léo Silva, Jefferson sairia de campo sem nenhuma bola atirada contra sua meta. Aliás, por que Léo Silva? O cara sempre entrega o ouro, mesmo nos jogos mais fáceis, como o de ontem. Correia cobrou e descontou: 3x1. Jobson queria fazer o dele a qualquer preço, e se esqueceu dos companheiros, melhores colocados para deixar o Galo de 4.

Mesmo com o gol de honra mineiro, continuamos com o jogo sob controle, e somente por alguns minutos lembrei-me de tragédias, mas logo percebia que o intuito do Galo era evitar a goleada. E conseguiram. Pior, ainda confessaram que o objetivo de fato era evitar tomar mais gols no 2º tempo. Ora, falamos de um time que briga pela Libertadores e até mesmo pelo título. Ah se tivéssemos reagido antes...

Tudo bem, já pus os pés no chão. Sei que lutamos contra o descenso e a água ainda está acima da barriga. Mas jogamos melhor do que todos que estão brigando pelo caneco ou Libertadores. Dói aceitar essa dura realidade. Dói muito mais é cair. E para isso volto a real.

2ª feira. Engenhão, às 16h. Ingressos a R$ 10.00 (meia-entrada a R$ 5,00). Tá na hora de mostrar nossa força e entupir o estádio com mais de 30 mil alviengros. ‘Seremos estrela, solitária ou solidária, de tomar partido, ousar e desbravar...’ Será feriadão com tarde de sol. Perfeito para abrirmos 4 ou 5 pontos da zona feia e buscar uma arrancada para só se falar em coisas boas, como o título da Sul-Americana. É hora de mostrar o que é ser Botafogo.

Estevam Soares: acabou com o Galo em 32 minutos. Jobson infernizou e valeu a aposta. Já Léo Silva e Fahel no meio é temeroso demais. Fahel não comprometeu, mas Léo Silva tentou complicar o jogo mais fácil do ano. Precisa fazer o Diego chegar ao fundo e cruzar, ou então venha de Gabriel.

Destaques: André Lima, Jobson, Reinaldo e L. Flávio;
Jogou bem: Alessandro, Juninho, Wellington e Diego;
Garra: Alessandro;
Comprometeu: Léo Silva;
Irritou: Léo Silva;
Desafinou: Léo Silva;
Ninguém viu: Rodrigo Dantas
















EU ESCALO
Hora de lotar o Engenhão e mostrar a força dessa torcida 2ª feira, às 16h, contra o Avaí. Guerreiro volta. Eu Escalo: Jefferson, Alessandro, Juninho, Wellington e Gabriel; Guerreiro, Batista, L. Flávio e Reinaldo; Jobson e André Lima;

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO
!

Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras

terça-feira, 6 de outubro de 2009

HORA DE DEMONSTRAR NOSSO AMOR AO FOGÃO

















As estatísticas são do matemático Tristão Garcia, no site Globo.com. Os dados mostram que a euforia alvinegra pelo excepcional resultado conquistado no Serra Dourada já deve ser esquecida e agora é concentrar toda sua força para o jogaço de quinta-feira frente o Galo.

Dos 11 jogos restantes, 7 serão no mais moderno da América Latina. Necessitamos de 5 vitórias e 2 empates ou 6 vitórias. Presenciei vários insucessos do Glorioso neste Brasileirão jogando no estádio Olímpico. E em boa parte deles nossa torcida se comportou, em parte do jogo, como mais um adversário, e este muito mais difícil de ser batido.

Ninguém melhor do que o torcedor para julgar o elenco qualitativamente. Sim, quem acompanha o Glorioso, como nós, sabe das limitações do time e por vezes não somos parcimoniosos. Mas vejam, num momento instável como este, vaiar a equipe, que perdia por 1x0, com apenas 15’ do 2º tempo, como fizemos contra o Vitória, é dar moral e praticamente a vitória ao adversário. Tá certo, eu mesmo perco a paciência com alguns, mas daí a externar meu sentimento com vaias a todo o grupo é ser a antítese de um torcedor autêntico. É dar tiro no pé. Ora, se o time cair quem sofrerá é o torcedor, pois a maioria dos que aí estão permanecerá empregada no ano seguinte e quiçá até mesmo na série A. E quanto a nós, que vaiamos quando deveríamos apoiar incondicionalmente durante os 90 minutos, estaremos jogando contra o Vila Nova ou Abc da vida. E apoiando como nunca.

Ora galera alvinegra, sugiro sim fazer como algumas torcidas, a do Corinthians é assim, apóia depois cobra no final do jogo. Mas sempre devemos acreditar e melhor ainda, fazer quem está em campo crer que sempre é possível. Temos de acreditar sempre, ou este não é mais o nosso lema?!?

Fora de casa dois fatores contam a favor: a torcida alvinegra, como no Serra Dourada, apóia até mesmo quando as coisas não saem a contento. E o time não sai desesperado em busca do gol salvador. No Engenhão buscamos o gol desguarnecendo a defesa. O gramado reduzido diminui espaços e quando o gol não sai logo o Bota passa a jogar contra a torcida. Aí sofremos um gol e, mesmo que seja no tempo inicial, o fator psicológico em função da reação da torcida trava o alvinegro. No Engenhão não ganhamos um jogo sequer virando o placar. Isso prova o estado de nervo da equipe, que comprova fora de casa não ser tão ruim a ponto de ocupar a zona da degola, embora não mereça mais do que uma Sul-Americana.

Quinta-feira todos ao Engenhão para apoiar o Fogão. Quem não tiver paciência que torça na telinha ou pelo radinho. Amamos esse clube incondicionalmente. É amor eterno, então que tenhamos paciência ao menos por 90 minutos. E lembrar que “momentos ruins já vivemos e nunca paramos de cantar. Que o Fogo no nosso peito nunca vai se apagar. E que ninguém cala o nosso amor, por isso cantamos sempre por ti Fogo. Esse jogo vai virar, eu quero ser o vencedor...”

REVEJAM O VÍDEO 'SER BOTAFOGO' ANTES DO JOGO CONTRA O GALO. VAMOS LEVAR MAIS AMOR AINDA AO ENGENHÃO NA QUINTA-FEIRA.

“Na estrada dos louros, um facho de luz, tua estrela solitária te conduz...”

Deus salve nosso amado BOTAFOGO!

Força Sempre Fogão!

Saudações Alvinegras